O cartão MIFARE ou cartão inteligente é um cartão plástico que possui um pequeno chip embutido e que se comunica com o leitor através de RFID, sem contato (contactless), com taxas de transmissão de 106 a 848 Kb/s. Tais cartões exigem somente proximidade a uma antena para a transação de dados, sendo utilizados quando a transação deve ser feita rapidamente e com as mãos livres, como em sistemas de trânsito.

Cuidados

Para obter uma maior durabilidade do seu Cartão Bem Legal:

  • Não plastifique;
  • Não deixe o cartão próximo a equipamentos eletrônicos;
  • Não dobre nem amasse;
  • Não molhe;
  • Não perfure;
  • Não use clips;
  • Evite expor ao calor ou frio;
  • Para limpeza, use um pano leve ligeiramente umedecido;

Se bem cuidado, o Cartão Bem Legal poderá ter uma durabilidade média de cinco anos.

Como acontece o armazenamento de créditos

Os créditos são armazenados em duas divisões no cartão, denominadas de carteira A e carteira B. Estas carteiras recebem os depósitos efetuados da seguinte maneira:

Carteira A

Recebe a primeira recarga do cartão. Se esta recarga não for utilizada totalmente, e efetuarem um segundo depósito, este é armazenado na carteira B.

Carteira B

Recebe a segunda recarga do cartão, quando a carteira A ainda possui crédito.

O mecanismo de cobrança ocorre por carteira, sendo assim, quando esvaziar a carteira A começará a ser debitado da carteira B e assim sucessivamente.

No validador dos ônibus, só estará disponível a visualização do valor total do saldo depositado nas carteiras (soma de A + B). Isso significa que se ambas estiverem cheias e for solicitada uma terceira recarga, a informação da mesma não aparecerá no validador, pois ainda não foi depositada no cartão que se encontra com as duas carteiras ocupadas.

Quando é efetuado um novo pedido de recarga, automaticamente fica registrado em nosso sistema (banco de dados) e não havendo espaço nas carteiras o crédito fica em espera até que uma delas (A ou B) esvazie, recebendo em seguida este depósito e só então você poderá visualizar no validador.

Não esqueça que todos os procedimentos realizados em seu cartão são registrados em nosso sistema (banco de dados).

 EXEMPLOS:

1º. O usuário deposita no mês de Outubro em seu cartão o valor de R$ 30,00, sendo esta recarga depositada na carteira A, porém ele não utiliza o cartão. Em Novembro deposita o valor de R$ 40,00 em seu cartão, como a carteira A ainda esta carregada, este depósito é efetuado na carteira B, tendo assim um total de R$ 70,00, conforme a tabela abaixo:

Ver tabela 1

2º. No mês de Dezembro o usuário utiliza o seu cartão, de modo que debita os R$ 30,00 da carteira A. Em Janeiro ele decide recarregar seu cartão com R$ 24,80, este deposito é creditado na carteira A, pois ela está zerada possibilitando a recarga, tendo assim um total de R$ 64,80, conforme a tabela abaixo:

Ver tabela 2

3º. No mês de Fevereiro o usuário utiliza o seu cartão, de modo que debita os R$ 40,00 da carteira B. Em Março ele decide carregar seu cartão com R$ 32,80, este deposito é creditado na carteira B, pois ela esta zerada possibilitando a recarga, tendo assim um total de R$ 57,60, conforme a tabela abaixo:

Ver tabela 3

4º. No mês de Abril o usuário não utiliza seu cartão, continuando com o saldo de R$ 57,60. Em Maio ele decide depositar R$ 21,00, porém percebe que este valor não aparece contabilizado no validador. Isso aconteceu devido às duas carteiras ainda possuírem recarga, conforme a tabela abaixo:

Ver tabela 4

5º. No mês de Junho o usuário utiliza o seu cartão, de modo que debita os R$ 24,80 da carteira A. Essa utilização gera um espaço no cartão, sendo assim os R$ 21,00 que havia pendente do mês de Maio é contabilizado, permitindo sua visualização no validador, conforme a tabela abaixo:

Ver tabela 5