Empresas de ônibus de Maceió fazem simulação de vírus em dinheiro com líquido ultravioleta

18 de setembro de 2020

O Sindicato das Empresas de Transporte Urbano de Passageiros de Maceió (Sinturb) registrou um experimento com um líquido ultravioleta imperceptível ao olho nu, com cédulas de dinheiro para simular como funciona o contágio de vírus e bactérias com o repasse de moedas e notas dentro dos ônibus ou no comércio em geral.

A simulação mostra um passageiro assintomático entregando uma nota de dinheiro ao cobrador e o mesmo, depois de alguns minutos, entregando a mesma nota para outro passageiro. Nesta sequência, muitas pessoas tiveram acesso à nota supostamente contaminada.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o dinheiro pode ser um vetor de contágio do corona vírus, alguns experimentos mostraram que o vírus pode ficar na cédula por até 48h.

A dinâmica quer mostrar para os passageiros, às vantagens do uso do Cartão Bem Legal também como aliado a proteção contra o corona vírus e outras doenças. O Cartão Bem Legal por ser de uso pessoal e intransferível faz com que o passageiro não precise ter contato com notas ou moedas e pode proporcionar ao passageiro também a possibilidade de limpeza do cartão de forma mais eficiente e rápida após o uso.

O vídeo foi inspirado em um material produzido por uma televisão japonesa NHK , onde o mesmo líquido foi espalhado em superfícies para observar quantas pessoas seriam supostamente infectadas com o contato passando de mão em mão e pelos objetos, assim como acontece com o dinheiro.

Ao final da experiência realizada pelo Sinturb, todos os passageiros que tocaram a nota com o líquido ficaram com as mãos sujas, assim como acontece quando pessoas têm contato com o vírus.

Confira o vídeo da simulação:

Ascom Sinturb

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *